Eu sei exatamente por que me interessei pelo Bitcoin

Apareceu recentemente um vídeo (link: https://www.youtube.com/watch?v=ZB-Xs3aYrY0) do desenvolvedor do Bitcoin/Blockstream, Luke-JR, respondendo a uma questão numa entrevista sobre por que ele se tornou primeiramente interessado no Bitcoin. (Alerta de Spoiler: ele não apresenta realmente uma resposta). Isso vídeo causou alguma agitação na comunidade do Bitcoin onde um lado criticou sua inabilidade de responder à pergunta e o outro perguntando por que isso importa. Eu não me muito importo muito com o jornalismo ou a político do “te peguei”, ou com a guerra civil do Bitcoin, mas eu direi o seguinte: essa questão deveria ser absolutamente fácil de ser respondida e a inabilidade em fazê-lo é preocupante. Eu sei exatamente o que me atraiu ao Bitcoin. Deixem-me dizer a vocês.

NA SUA RAIZ, O BITCOIN ERA LIBERDADE
A perspectiva de raiz do Bitcoin, a razão porque alguém apostaria nele e colocaria incontáveis horas de sua vida e energia promovendo seu uso, era o fato dele possibilitar uma verdadeira liberdade financeira, e outras liberdades que se seguem a essa. Debaixo do sistema financeiro prevalecente, uma entidade controlada pelo governo emite todo o dinheiro que é permitido usar. Bancos e outras entidades centralizadas tem controle sobre como esses fundos são usados. A linha limite era que tudo o que você fizesse com seu dinheiro pudesse ser rastreado por alguém, e seria possível que uma ordem fosse dada a fim de bloquear seu dinheiro ou que ele fosse diretamente roubado. A ideia por detrás de um dinheiro eletrônico que funciona da pessoa para pessoa é que ele devolveria às pessoas o controle do seu dinheiro novamente. Ninguém poderia fechar nenhuma conta por simplesmente não ter gostado de você. Com o Bitcoin, você poderia ter soberania financeira. E com soberania financeira vem a liberdade em todas as outras áreas da sua vida. Você pode dizer coisas controversas, inovar, organizar, qualquer coisa que você quiser, basta que você não tenha medo que seu sustento seja roubado de você por conta disso.

A INOVAÇÃO TORNA A VIDA DAS PESSOAS MELHOR
Além da simples, ainda que de potencial infinito, invenção de um sistema financeiro que não possa ser comprometido facilmente, a tecnologia de um registro compartilhado abriu uma caixa de Pandora de possibilidades para um futuro melhor. Mais importante, ainda, todas essas coisas inovadoras não fazem algo simplesmente num vácuo. Elas ajudam pessoas. Elas resolvem problemas que as pessoas enfrentam em seu dia a dia. Enviar dinheiro para qualquer lugar no mundo de forma extremamente barata, micro-pagamentos, facilitação de meios de subsistência, etc. A introdução de uma nova variável, taxas altas por exemplo, ameaça todo o resto. Uma pequena mudança no papel pode ser letal no mundo real. Decisões como a respeito do tamanho do bloco e de escalabilidade deveriam ser feitas sempre, primeiro e acima de tudo, pensando no usuário final e como a vida dele vai mudar como resultado isso.

LUCRO NUNCA SEQUER FOI O OBJETIVO
O mundo do Bitcoin tem se tornado cheio de “guardadores” (holders), pessoas que adquirem a moeda e as seguram por bastante tempo na esperança de vê-la valorizada. Não há nada fundamentalmente errado com isso, e todos os verdadeiros crentes no potencial das criptomoedas devem ser investidores de longo prazo. A diferença é que o único benefício do Bitcoin para alguns investidores novos nessa área é que ele valoriza. É puro lucro. Não tem nada a ver com tornar o mundo um lugar inerentemente melhor e tudo a ver com comprar uma Lamborghini com Bitcoins ou vender seus Bitcoins para comprar sua Lamborghini com alguma moeda nacional. O Bitcoin valorizar é apenas um efeito colateral agradável de se tomar grandes riscos em torno de uma tecnologia experimental na qual cremos, mas não é o objetivo primordial.

PESSOAS QUE NÃO ENTENDEM A MISSÃO NÃO VÃO SALVAGUARDAR O DESENVOLVIMENTO
Aqui é onde voltamos aos desenvolvedores que não entendem a razão da tecnologia em cima da qual eles estão trabalhando: se você não sabe a que ela se destina, você jamais alcançará isso. Desenvolver o Bitcoin no vácuo, sem uma bússola, é receita infalível para uma inovação que perdeu seu propósito original. Essas questões profundamente filosóficas são absolutamente importantes para a tecnologia em si, e aqueles que falham no “teste do propósito” são devem ter nossa confiança.

NÃO É SOBRE A DASH, É SOBRE A MISSÃO
Desde o começo, eu mudei de trabalhar forte para promover o Bitcoin para promover a DASH. Ninguém me pagou nada para que eu mudasse de ideia. Eu não tinha em mente a ideia de que a DASH era a salvadora toda poderosa das criptos (ou de qualquer outra coisa), e eu decidi segui-la com a paixão semelhante a de um fiel. Eu simplesmente segui a missão: dinheiro digital de pessoa para pessoa que todos podem usar e que ninguém será capaz de deter. A DASH é a maior, melhor e mais dedicada jogadora nesse espaço em correr na direção desses alvos. Eu não sigo a DASH: a DASH segue a minha visão, uma visão que eu pensei que todos os “bitcoiners” um dia compartilharam. A visão deve prevalecer, não importa a marca, o nome, ou mesmo o código que o move adiante.

Eu me interessei pelo Bitcoin por que eu queria um mundo verdadeiramente livre. Essa é a razão pela qual eu estou interessado na DASH hoje.

Postagem original: https://www.dashforcenews.com/know-exactly-interested-bitcoin/
Tradução: Ezequiel Gomes

Um comentário em “Eu sei exatamente por que me interessei pelo Bitcoin

  • 20 de setembro de 2017 em 2:51 pm
    Permalink

    5

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: